Chineses querem investir mais no imobiliário estrangeiro e Portugal está na mira

Chineses querem investir mais no imobiliário estrangeiro e Portugal está na mira


Já há sinais de recuperação depois do pior com o coronavírus na China. Investidores e famílias querem comprar imóveis fora do país.

A volta à rotina anterior à chegada da pandemia da Covid-19 começou mais cedo na China do que no resto do mundo. O foco do início desta crise de saúde internacional, que se transformou em crise económica e financeira, deu passos de reabertura antes do resto dos países, depois de controlar a propagação do coronavírus, segundo as autoridades chinesas. Esse retorno à normalidade está a ter refletir-se numa subida do interesse dos investidores e famílias chinesas em encontrar imóveis para comprar no estrangeiro, como investimento ou mesmo para morar.

A situação económica não é otimista e tudo indica que os preços continuarão a cair. Vários portais imobiliários chineses especializados em imobiliário no exterior viram subir as visitas nas últimas seis semanas, em comparação com o mesmo período entre janeiro e fevereiro, em confinamento total na maior parte da China.

As agências, citadas num artigo publicado peo Financial Times, concordam que as principais áreas de interesse são os EUA, Canadá e Austrália, com boas economias e sistemas educacionais atraentes. Mas também destacam outros destinos mais acessíveis, como Estónia, Roménia e Marrocos, a par de outros destinos europeus, onde existem benefícios do Estado, como Grécia, Espanha e Portugal - os chineses continuam por exemplo a ser os principais beneficiários dos vistos gold.

Londres é outro dos mercados imobiliários mais atraentes para os mais jovens, numa época em que o Reino Unido está em confinamento total. Várias agências imobiliárias britânicas receberam pedidos de compradores chineses em áreas de luxo do norte de Londres. Esses compradores geralmente procuram mandar os seus filhos estudar no estrangeiro ou como um investimento para arrendar, com a possibilidade de mudança no futuro.

No entanto, os especialistas acreditam que a maioria dessas consultas é atualmente difícil de transformar em vendas fechadas, principalmente devido à incerteza atual devido à grave situação económica em todo o mundo. Acresce que grande parte do planeta ainda está sujeita a restrições de viagens e movimento.

"Os compradores não podem viajar para assinar contratos, fazer visitas pessoais ou fechar contratos", diz Kashif Ansari, diretor executivo do grupo Juwai IQI. "A cultura chinesa de comprar e investir no exterior é muito forte, mas agora é a tempo para reavaliar os seus critérios ", acrescenta o diretor executivo de Esther Yong do portal Sodichan.

" As prioridades tradicionais (países ou cidades com boas universidades, proximidade com a família e a estabilidade económica) agora podem dar lugar a novas, como a disponibilidade de atendimento médica”.